Skip to main content
Impulso News

Liderança através das lentes de uma designer

Impulso News • Edição nº92

Toda semana, temos aqui uma edição com conteúdos escritos e curados pelas lideranças da Impulso, sobre Inovação, Liderança, Transformação Digital e Business Agility. Desta vez, você confere o artigo da nossa Design Lead, Victoria Haidamus:


Esse ano foi bem movimentado aqui na Impulso.

Além das aventuras normais do dia a dia, passamos por um processo de evolução da marca que nos trouxe de volta à nossa essência:

Criar relações genuínas que ultrapassam barreiras. Juntar Humanidade e Tecnologia para trazer o futuro do trabalho para o presente.

Dentre os resultados dessa evolução, tivemos uma mudança de identidade visual. Marca, cores, aplicações. Com isso, veio outro desafio: adaptar todas as nossas aplicações e pontos de contato da marca à evolução.

Precisávamos garantir o uso adequado e padronizado da nossa marca e identidade visual em todas as aplicações internas e externas e prover orientações e apoio na produção de peças de toda a Impulso, visando garantir a constância da marca.

Além de articular com todas as lideranças quanto a ações atuais e futuras que envolviam nossa marca e criar um plano para construir uma tribo de design forte e engajada em evoluir tecnicamente.

Foi dentro desse contexto que assumi o papel de Design Lead.

Desde o inicio, sabia que essa seria uma grande mudança pois, como contribuidora individual, eu tinha uma rotina, previsibilidade, um jeito de fazer as coisas.

Então, virei lead e veio a pergunta: por onde começar?

Aqui na Impulso, sou incentivada a trazer para a mesa o que me faz diferente e, nesse novo papel, isso significou descobrir por onde começar utilizando as minhas habilidades de designer.

Tratei a minha adaptação à essa nova rotina e novas responsabilidades como trataria um projeto, partindo da:

  • Definição do problema a ser resolvido
  • Definição dos objetivos a serem alcançados
  • Definição dos processos

Como designer, ao entrar em um novo projeto, busco entender o contexto mais amplo no qual ele se insere, antes de colocar a mão na massa. Para isso perguntas como: “Quais peças que precisam ser atualizadas, por quem, em que contexto”… me ajudam a mapear e fazer a priorização necessária.

Outra coisa que puxei do meu “eu designer” foi considerar o “como fazer” tão importante quanto “o que fazer”, e como líder então, tenho buscado entender quais competências são necessárias e de acordo com elas, consigo delegar quais times podem assumir cada peça, etc.

Agora, como líder, eu ainda incluo na definição do processo:

  • Gerar alinhamento
  • Dar feedbacks efetivos
  • Observar, aprender, corrigir

Gerar alinhamento

Na Impulso, a colaboração é um dos nossos principais valores, acreditamos que juntos vamos mais longe. Porém, a colaboração precisa ser pensada para acontecer da melhor forma. 

Por isso, é importante buscar uma comunicação clara sobre o objetivo e qual o resultado esperado.

Outro ponto importante é que, para a colaboração acontecer da melhor forma em um time remoto, a fonte da verdade do projeto não pode ser uma única pessoa, não pode ser eu, mesmo que eu seja a liderança.

Na evolução da marca, por exemplo, tivemos dois artefatos principais:

  • O brandbook como fonte da verdade da aplicação da marca
  • Um quadro no Trello como fonte da verdade do gerenciamento do projeto

Assim, descentralizando “a fonte da verdade”, conseguimos fazer com que as pessoas soubessem o que, quando, porque e o que considerar ao fazer, sem, necessariamente, terem que acessar a liderança o tempo todo.

Dar feedbacks efetivos

Eu sabia que como líder, teria que dar feedbacks sobre o trabalho feito por outras pessoas. Então, pensei em quais foram os melhores que já recebi, como designer, e busquei extrair as características deles para reproduzi-las ao oferecê-los:

  • Contextualização: Nenhum feedback é dado no vácuo, para dar um bom feedback, é preciso entender em que estágio de desenvolvimento aquele trabalho está e, se ele não estiver de acordo com o resultado esperado, explicar claramente o porquê.
  • Adaptar o feedback à audiência: Um designer vai receber um feedback de forma muito diferente de um desenvolvedor, assim como cada pessoa vai receber o feedback de forma diferente, dependendo da sua história. Adaptar o feedback a quem está recebendo não é só uma forma de humanidade, como também um jeito mais rápido e efetivo de atingir resultados melhores.
  • Utilizar o meio mais efetivo de passar a mensagem: Como designer, aprendi que, às vezes, a melhor forma de transmitir uma ideia é visualmente, o mesmo vale para feedbacks. Usar: vídeos, imagens, texto e áudio é importante, pois o objetivo é fazer a mensagem chegar àquela pessoa do jeito mais claro possível.

Observar, aprender, corrigir

Mesmo em pouco tempo, já cometi erros nesse processo e, claro: fiquei triste em situações que não conseguimos chegar ao resultado esperado.

Mas, pensar minha liderança como um projeto, me permite visualizar um plano de ação com clareza.

Busco entender o porquê do erro ter acontecido e o que preciso melhorar para que não aconteça de novo: alinhamento, processos, feedback, etc.

Assim, posso iterar em cima daquele resultado e seguir sempre nesse processo de melhoria contínua.

No fim das contas, acredito que minhas habilidades, aprendidas como designer farão diferença nessa nova função.

PARA LER, SEGUIR E AVANÇAR

Qual é o trabalho de uma liderança de Design?
Qual é o trabalho de uma liderança de Design?brasil.uxdesign.cc

Artigo de Lisha Dai, uma filandesa designer de produtos e escritora, com seis metáforas para descrever as responsabilidades de uma liderança. “Como combinar as habilidades do designer com o desejo de crescimento e as necessidades do negócio?” é uma das reflexões que ela traz.

Meu processo de design de produtos
Meu processo de design de produtos www.youtube.com

Neste vídeo, Femke faz uma apresentação do Processo de Design UX Double Diamond, mostrando fase por fase, com estruturas e metodologias. Muito interessante, tanto para profissionais designers, como para gestores que querem pensar e projetar novos produtos.

Smarter Faster Better: o poder transformador da produtividade real
Smarter Faster Better: o poder transformador da produtividade realwww.amazon.com.br

Charles Duhigg, o mesmo autor de “O poder do hábito”, apresenta diferentes ferramentas que podem ajudar qualquer pessoa a conseguir eficiência, produtividade e desempenho. Com sua característica escrita envolvente, ele usa histórias emocionantes para explicar a derivação de cada teoria.

“Um grande líder inspira a equipe, eleva as pessoas ao seu redor e constrói uma visão que reúne e envolve as pessoas”.

Lisha Dai (tradução livre).

Por Impulso

Conteúdos sobre Inovação, Liderança, Transformação Digital e Business Agility, escritos e selecionados especialmente pelas lideranças da Impulso.

Assine minha lista
Ao assinar você estará concordando com nossa Política de Privacidade.